Estabilidade molecular de uma amostras vacinal de Coronavírus canino após passagens seriadas em células A72

Iracema Nunes De Barros, Sheila Oliveira De Souza Silva, Sueli Akemi Taniwaki, Paulo Eduardo Brandão

Resumo


O Coronavírus canino (CCoV) ocorre como tipos I e II e infecta cães, levando principalmente a enterite, apesar do tipo II já ter sido associado à infecção generalizada e altamente letal. Uma vacina de CCoV-II inativada produzida em células caninas A72 é disponível mundialmente e largamente utilizada, apesar da sua estabilidade molecular após passagens seriadas de sementes vacinais ser desconhecida. Este artigo relata a evolução da amostra vacinal CCoC-II 1-71 em células A-72 com base em sequenciamento parcial do gene S, demonstrando predomínio de evolução neutra e a ocorrência de quaro sítios sob seleção purificante. Portanto, amostras de CCoV-II adaptadas a cultivos celulares podem ser estáveis geneticamente após passagens seriadas em uma mesma linhagem celular devido à existência de uma relação estável vírus-hospedeiro.


Palavras-chave


Coronavírus canino; vacina; passagens; evolução; células A-72

Texto completo:

PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.1678-4456.bjvras.2017.111310

Apontamentos

  • Não há apontamentos.





Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science
 
Universidade de São Paulo
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia
Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva, 87 - Cidade Universitária
CEP: 05508-270 - São Paulo - SP
Tel: (+55 11) 3091-7636
Fax: (+55 11) 3091-1213
 
bjvras@usp.br
www.revistas.usp.br/bjvras