Efeitos do uso tópico do óleo de andiroba puro e ozonizado em feridas induzidas em cavalos

Anderson Luiz De Araújo, Fernanda De Almeida Teixeira, Tracy Ferreira Lacerda, Mayra Cunha Flecher, Vinicius Ricardo Cuña De Souza, Clarisse Simões Coelho

Resumo


Este trabalho realizou uma avaliação clínica e histopatológica da aplicação tópica do óleo de andiroba (Carapa guianensis Aublet), puro e ozonizado, no processo de cicatrização de feridas em cinco equinos saudáveis. Oito feridas de 6,25 cm2 foram induzidas cirurgicamente, quatro de cada lado da região lombar, craniais em relação à região sacral. Em três animais, o lado esquerdo foi destinado à avaliação macroscópica e mensuração de área, enquanto o lado direito foi destinado à análise histopatológica. Nos outros dois animais, as avaliações foram invertidas. O tratamento tópico foi iniciado 12 horas após a indução cirúrgica e foi mantido diariamente até a completa cicatrização das feridas. Foram usados, sequencialmente e bilateralmente, no sentido craniocaudal: solução salina (GC), solução salina ozonizada (GO), óleo de andiroba puro (GAP) e óleo de andiroba ozonizado (GAO). Aleatoriamente, a sequência de tratamentos foi modificada. As análises macroscópicas e microscópicas foram realizadas 3, 7, 14 e 21 dias após a cirurgia, e o tempo total para cicatrização registrado. A contração da ferida foi de 67,75% para GC, 65,26% para GO, 67,91% para GAP, e 69,84% para GAO. A avaliação histopatológica demonstrou que as feridas tratadas com GAO e GAP apresentaram uma avançada epitelização, proliferação fibroblástica e deposição de colágeno, moderada proliferação vascular e presença de infiltrados de células polimorfonucleares (PMN) e discreta proliferação de células mononucleares (MN). Foi possível concluir que todos os tratamentos usados foram benéficos perante o grupo de controle, mostrando que as versões pura e ozonizada do óleo de andiroba representam alternativas terapêuticas ao tratamento de feridas em equinos.


Palavras-chave


Carapa guianensis; cicatrização; cavalos; feridas; ozônio

Texto completo:

PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.1678-4456.bjvras.2017.113776

Apontamentos

  • Não há apontamentos.





Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science
 
Universidade de São Paulo
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia
Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva, 87 - Cidade Universitária
CEP: 05508-270 - São Paulo - SP
Tel: (+55 11) 3091-7636
Fax: (+55 11) 3091-1213
 
bjvras@usp.br
www.revistas.usp.br/bjvras