Encefalopatia espongiforme bovina atípica: uma revisão

Ellen Elizabeth Laurindo, Ivan Roque de Barros Filho

Resumo


A encefalopatia espongiforme bovina (EEB), causada por um príon infectante, surgiu na década de 1980 na Europa como uma nova doença nos rebanhos bovinos e, desde então, estão sendo tomadas várias ações para sua prevenção e controle. A restrição da alimentação de ruminantes com subprodutos de origem animal e a remoção e destruição dos materiais de risco específico para a doença das carcaças em frigoríficos se mostraram efetivas medidas para o controle da doença, além de reduzirem a exposição humana ao agente, pois se trata de uma importante zoonose. No entanto, em 2004 os primeiros casos atípicos de EEB foram diagnosticados, nos quais os agentes causais apresentavam alterações de peso molecular na prova de Western blot, em relação ao agente da forma clássica. Além das diferenças moleculares dos agentes, as apresentações clínicas mostraram-se diferenciadas nas formas atípicas, acometendo principalmente bovinos com idade superior a oito anos. Por se tratar de uma nova forma da doença, muitos estudos estão sendo conduzidos buscando elucidar a patogenia, epidemiologia e seu potencial zoonótico. Objetivou-se neste estudo revisar os principais aspectos relacionados às EEB atípicas enfatizando sua etiologia, epidemiologia, sinais clínicos, diagnóstico e medidas de controle.

Palavras-chave


príon; bovinos; PrP SC; EEB tipo L; EEB tipo H; EEB tipo SW

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1808-1657000392015

Apontamentos

  • Não há apontamentos.





Arquivos do Instituto Biológico
 
Governo do Estado de São Paulo
Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA)
Avenida Conselheiro Rodrigues Alves, 1252
CEP 04014-900 - São Paulo - SP
Tel (+55 11) 5087-1701