Toxicidade do inseticida Tiametoxam para o Pacamã(Lophisiolurus alexandri)

Ana C. L. Albinati, Pierre C. Soares, Ricardo C. B. Albinati, Eduardo L. T. Moreira, Alessandra D. Lira, Jaciane V. Carvalho

Resumo


Este estudo avaliou a toxicidade aguda e crônica de um inseticida a base de tiametoxam para peixes da espécie Pacamã (Lophisiolurus alexandri), avaliando a CL50%, além de alterações histopatológicas hepáticas em animais expostos por 96 horas e 15 dias ao inseticida. Para tanto foram utilizados 120 alevinos submetidos a cinco diferentes concentrações do inseticida (30, 60, 120, 240 e 480mg/L) por 15 dias, com dois tempos amostrais, 96 horas e 15 dias. Não houve mortalidade significativa durante todo o período experimental, no entanto os animais apresentaram alterações como vacuolização citoplasmática, congestão e necrose. A CL50% foi determinada como superior a 100mg/L, considerada praticamente não tóxico. A necrose foi a alteração melhor evidenciada nos animais expostos, com o aumento da ocorrência nos animais do teste de toxicidade crônica.


Palavras-chave


toxicidade; tiametoxam; inseticida; pacamã; Lophisiolurus alexandri; peixe

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0100-736x2017000400002

Apontamentos

  • Não há apontamentos.





Pesquisa Veterinária Brasileira
 
Colégio Brasileiro de Patologia Animal
Caixa Postal 74.591
CEP: 23890-000 - Seropédica - RJ
Tel/Fax: (+55 21) 2682-1081
 
pvb@pvb.com.br
www.pvb.com.br