Caracterização epidemiológica de mordeduras de cães em humanos no município de Ponta Grossa, estado do Paraná, Brasil

M. C. Pinto, V. M. Morikawa, V. Bontorin, C. E. Coradassi, D. E. G. Horwat

Resumo


A raiva é uma antropozoonose causada por vírus do gênero Lyssavirus, com letalidade próxima a 100% e que pode acometer todos os mamíferos. A sua principal forma de transmissão é a percutânea por mordeduras, arranhaduras e lambeduras. Os cães são responsáveis por 60 a 95% de todas as mordeduras. Estas são de grande preocupação devido à transmissão da raiva, da possível contaminação com microrganismos presentes na saliva dos animais ou na pele agredida e o gasto com o tratamento pós exposição. Este trabalho analisou o total e a incidência de casos de humanos agredidos com mordeduras de cães e efetuou a correlação dos registros com a taxa de analfabetismo e renda média per capita dos bairros do município de Ponta Grossa, estado do Paraná, Brasil. As informações são referentes aos acidentes por mordeduras caninas em seres humanos, notificados e registrados pelos serviços de saúde do município de Ponta Grossa/PR no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinam), entre janeiro de 2010 e agosto de 2016. Os dados foram obtidos junto a Vigilância Epidemiológica da cidade e o georreferenciamento foi realizado com o emprego do programa QGIS 2.18. Os dados de renda média per capita e analfabetismo foram obtidos no Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. A incidência foi verificada para a avaliação do real risco de mordeduras a que a população do respectivo bairro está exposta. Durante o período analisado foram registrados 7.023 casos de humanos com mordeduras de cães dos quais 98,26% (6.901) eram da área urbana e 1, 74% (122) da zona rural. Dos 16 bairros do município, da área urbana, o total de mordeduras variou de 22 (0,32%) notificações no bairro Piriquitos a 1.549 (22,4%) no bairro Uvaranas. O bairro Estrela apresentou a segunda menor incidência de acidentes, menor índice de analfabetismo e maior renda média mensal. O bairro Centro apesar de ter uma população com alta renda média mensal apresentou uma das maiores incidências o que pode ser explicado pela grande circulação de pessoas e por ser o bairro que apresenta o comércio mais desenvolvido, porém com grande circulação de cães errantes ou semidomiciliados em busca de alimentos. Os bairros com maior índice de analfabetismo apresentaram também algumas das menores rendas médias e as maiores incidências de mordeduras, como Chapada, Boa Vista e Contorno. As análises realizadas mostraram que os bairros com maior renda e menor índice de analfabetismo têm o menor número de mordeduras. Portanto a educação em saúde, guarda responsável e informações sobre os serviços disponíveis no município são essenciais para que ocorra a diminuição dos casos de mordeduras. Por este motivo é necessário que o município desenvolva ações junto com a comunidade, com os profissionais da saúde, incluindo os veterinários para promover e difundir a conscientização e educação sobre o tema.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.





A revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP
 
Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo
Rua Apeninos, 1088 - Paraíso
CEP 04104-021 - São Paulo - SP
Tel: (+55 11) 5908-4799
Fax: (+55 11) 5084-4907
 
comunicacao@crmvsp.gov.br
www.crmvsp.gov.br