Estudos da fauna flebotomínica (Diptera: Psychodidae: Phlebotominae) e infecção natural por Leishmania infantum em municípios da região noroeste do estado de São Paulo, Brasil

Vanessa Gusmon da Silva, Helena Hilomi Taniguchi, Virgínia Bodelão Richini-Pereira, Diego Borin Nóbrega, Carlos Roberto Elias, José Eduardo Tolezano

Resumo


A expansão geográfica e o crescente aumento dos casos de leishmaniose visceral na região noroeste do estado de São Paulo despertaram o interesse em desenvolver estudo para identificar a fauna flebotomínica e avaliar sua infecção natural por Leishmania infantum nos municípios de Fernandópolis, Santa Fé do Sul e Votuporanga. Foram realizados inquéritos entomológicos com a utilização de armadilhas luminosas do tipo CDC, instaladas em diferentes ecótopos peridomiciliares, durante o período de agosto de 2013 a novembro de 2014. A detecção de DNA de L. infantum em flebotomíneos foi realizada por meio da Reação em Cadeia da Polimerase (PCR). Foram coletados 507 flebotomíneos, sendo 116 fêmeas (22,9 %) e 391 machos (77,1 %), representados por sete espécies, com predomínio de Lutzomyia longipalpis, com 461 exemplares (90,9 %). As análises moleculares revelaram DNA de L. infantum em um exemplar de L. longipalpis capturado em Fernandópolis. Estes resultados confirmam a presença desta espécie nos municípios pesquisados. E o encontro de pelo menos um exemplar, naturalmente infectado, em Fernandópolis evidencia a necessidade de realizar ações de controle direcionadas aos vetores neste município, com o intuito de conter sua dispersão e prevenir a ocorrência de casos humanos de leishmaniose visceral.


Palavras-chave


leishmaniose visceral; Lutzomyia longipalpis; Leishmania

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.





Revista do Instituto Adolfo Lutz
 
Instituto Adolfo Lutz
Av. Dr. Arnaldo, 355 - Núcleo de Acervo/Biblioteca
Cerqueira Cesar - CEP: 01246-902 - São Paulo - SP
Fone: (+55 11) 3068-2869
 
rial@saude.sp.gov.br
www.ial.sp.gov.br