Aspectos epidemiológicos da esquistossomose em área do sudoeste de Minas Gerais, Brasil

Raquel Lopes Martins Souza, Cybele Gargioni, Rosângela Vieira Siqueira, Rita Maria da Silva, Pedro Luiz Silva Pinto, Herminia Yohko Kanamura

Resumo


Este estudo foi desenvolvido com o objetivo de contribuir com a vigilância da esquistossomose, no âmbito da Superintendência Regional de Saúde de Alfenas, MG, na mesorregião Sul/Sudoeste do estado, considerada não endêmica para a esquistossomose, ao contrário de outras áreas ao norte e nordeste do estado. Durante o ano de 2015, os escolares e migrantes de dois municípios dessa região, Arceburgo e Guaranésia, foram submetidos aos inquéritos parasitológico e sorológico. No inquérito parasitológico, nenhum caso de esquistossomose foi detectado em Arceburgo. Em Guaranésia, ovos de S. mansoni foram detectados entre os migrantes, com taxa de positividade de 13,6% (9/66), e em um único estudante. Sete membros da família, classificada como moradora de Guaranésia, mas determinada como oriunda de Timbaúba, PE quando investigada pela vigilância epidemiológica, foram também positivos para S. mansoni. No inquérito sorológico, a positividade para esquistossomose foi de 18,5% entre os migrantes de Guaranésia. Em relação às demais parasitoses, as taxas de positividade variaram de 12,5% a 32,3%. Os resultados sugerem diferenças em relação ao risco de exposição a S. mansoni e a importância da vigilância epidemiológica, mesmo em áreas não endêmicas, com foco nos migrantes, quando estes são oriundos de regiões endêmicas para esquistossomose.

Palavras-chave


esquistossomose; vigilância epidemiológica; migrantes

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.





Revista do Instituto Adolfo Lutz
 
Instituto Adolfo Lutz
Av. Dr. Arnaldo, 355 - Núcleo de Acervo/Biblioteca
Cerqueira Cesar - CEP: 01246-902 - São Paulo - SP
Fone: (+55 11) 3068-2869
 
rial@saude.sp.gov.br
www.ial.sp.gov.br