Avaliação histopatológica do fígado durante a infecção experimental por Leishmania chagasi (Leishmania) em camundongos BALB / c imunossuprimidos

Ana Paula Ferreira Lopes Corrêa, Maria Cecilia Rui Luvizotto, Silvio Luis de Oliveira, Gabriela Capriogli Oliveira, Helio Langoni

Resumo


Camundongos BALB / c foram infectados experimentalmente com L. (L.) chagasi e imunossuprimidos para estudar as alterações histopatológicas no fígado presente. Os 96 ratos estudados foram divididos em quatro grupos: controle (I) - sem tratamento; imunossuprimidos (II) - O tratamento com dexametasona (DXM) e pentoxifilina (PTX); infectado (III) - infecção por L. chagasi (L.); e infectados e imunodeprimidos (IV) - infecção por L. chagasi (L.) e tratamento com DXM e PTX. O dia da infecção foi considerado o dia zero e imunossupressão ocorreu 60 dias P.I. As amostras foram obtidas em vários momentos, 15, 30, 60, 75 e 90 dias P.I., por coleta de fragmentos de fígado para avaliação histopatológica. Houve constante reação inflamatória e infiltrado inflamatório progressivo e granulomas completos, que foi renovado em todas as fases de observação. Para os grupos inoculados, a presença de amastigotas foi confirmada por imuno-histoquímica. O grupo de imunodeprimidos apresentou uma resposta inflamatória fraca e granulomas raros e incompletos. Imunossupressão influenciou a resposta imune do fígado, que é capaz de controlar a leishmaniose visceral murina.

Palavras-chave


leishmaniose visceral; BALB / c; imunossupressão; imuno-histoquímica; fígado

Texto completo:

PDF (English)

Apontamentos

  • Não há apontamentos.





Veterinária e Zootecnia
 
Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - Campus Botucatu
Distrito de Ruibião Júnior, s/n
CEP 186818-970 - Botucatu - SP
Tel (+55 14) 3880-2094
Fax (+55 14) 3880-2042
 
vetzootecnia@fmvz.unesp.br